Voltando de onde nunca fui…

Parece fácil voltar, quando exatamente-exatamente você nem se foi, na verdade é assim que me senti! Eu passei por alguns momentos delicados na minha vida, assim como boa parte da população global e dentro desses momentos delicados, sim eu me vi uma bela de uma guerreira, cheia de forças para lutar, lutei e como lutei! Lutei em silêncio, lutei gritando, lutei chorando aos cantos, lutei pra mim e para os meus. Em 2016/ 2017 a vida dentro de casa deu um mergulho ao abismo com uma doença feia, maligna mas que hoje felizmente, sobraram apenas uma manutenção com médicos, exames e remédios.

 

Ah! ”As aparências” você, você é foda!

Apesar de manter as aparências de que tudo foi fácil, dentro do controle, que “”conosco não tem enrosco”” eu passei por sentimentos de perda, de pressão muito grandes e com três Princesas a tira colo. Se eu me orgulho de mim? Demais, orgulho me definia! Mas como um golpe de rasteira depois das coisas começando a se estabelecer, eu me vi caminhando com algumas e muitas reclamações em dia, sempre exausta, com dores e sentia que as coisas e a vida não me pareciam ser tão encantadoras e deslumbrantes mais, como sempre foram e dia após dia me vi murchar, como uma flor em um vaso sem água limpa.

 

Anjos que nos rodeiam..

Nem sempre as pessoas que te rodeiam e as que você pode de fato contar, estão sintonizadas no que você está passando, verdade seja dita, você nem quer que sintonizem nada. Você quer apenas sua vida de volta ao normal e quem ninguém perceba que você esteve “ausente”. Sempre somos surpreendidos por anjos que veem e vão, comigo não foi diferente, mas algo lá no fundo do peito gritava sem voz e era ruim, dolorido e persistente, eu sabia as explicações de tudo, pois dentro de casa já tinha alguém sofrendo com depressão, com os traumas de todo sofrimento. Mas eu não aceitei mesmo, ouvi tudo que precisava do psiquiatra, saí de lá ‘parabenizada’ por ser tão forte e ter respostas para entender o que passaria dentro de casa com meu parceiro pós operado.
Sim eu estava preparada, naquele momento para tudo, principalmente defini que não cairia. Eu não tinha direito de cair naquele momento, depois de toda tristeza que a doença nos trouxe. Eu não aceitei a depressão, mas ela estava dentro de mim, junto de todas as caixinhas de ‘recordações’. De fato não considero que tive depressão, eu não à aceitei, tive todos os sintomas, todas as dores, todos os pensamentos de vida/morte, afinal eu tinha estudado, lido e relido, como seria no dia a dia com uma pessoa com depressão dentro de casa, então de fato eu sabia o que sentia, quais eram as dores. Mas…. então eu não aceitei, eu acho ótimo não aceitar até hoje. não me mediquei, mas procurei ajuda sim, do psiquiatra que antes me parabenizará e sim ele disse que esse tipo de trauma é muito sofrido, acompanhar tudo e ter que ser forte, é só para ‘as fortes, rss’ procurei ajuda de amigas, do colo da mãe, e assim a vida foi… andando.. doendo.. andando.. sorrindo. Mas nunca de fato ninguém soube!

 

Maquiagens e sorrisos!

Derrubar uma mulher rodeada por três crianças na fase do despertar humano, onde o pico de energia é elevado ao quadrado, mas um marido que já era sistemático, agora estava depressivo e pós operado! Cá entre nós, (derrubar) não é missão fácil. Então a cada dia me via com a cara estampada de maquiagem e quando os olhos estavam muito vermelhos, o delineado gatinho com o pacote sombra marrom e preta e 15 camadas de rímel da melhor ‘espécie’ era bem caprichado, para se houvesse algum comentário, a resposta fosse imediata.. era alergia a ‘merda’ da maquiagem barata. Um sorriso ao final de cada frase ajudava o belo disfarce. Intrigante como o psicológico é fabuloso, eu sempre soube que não poderia parar, pois elas (minhas princesas) dependiam de mim, dos meus ”corres”, precisávamos todos da nossa rotina, escolar, em casa, no trabalho, no trânsito, na ‘bendita’ hora do banho (mães entenderão). E eu não aceitei, não porque foi fácil ou ela ”veio” fraca” pra mim, mas porque eu tenho um Deus IMENSO ao meu lado, que me deixou caminhar ao lado Dele, eu, com todos os meus defeitos, mas Ele na sua grandiosidade, sua generosidade sem fim, me abençoou e me deixou mais ‘leve’.

 

Correntes que carregamos..

Deus me ajudou a não cair, mas ela ainda habitava em mim, e desde então arrastei as correntes de um coração que sentia falta de algo, de um ar que não completava e que não conformava como tal. E eu também sabia o que era, eu queria o que me faltava que era minha vida de volta. A mesma Dani que lutava, chorava, caía e levantava a cabeça segundos depois, respirava fundo, caminhava sorrindo e cantando, essa sou eu! Mas naquele momento estava bem distante de tudo.
Foram incontáveis vezes que me peguei aconselhando amigas, tentando tira-las do buraco, inclusive algumas ajudas com sucesso, mas eu mal sabia como sair de lá. Eu ouvi muito, que “nem imaginava” o que era uma depressão, ouvi muito “eu quase morri por causa dela” e sempre abanei a cabeça em solidariedade, e ainda assim, não me coloquei na conversa para competir, “Ah eu senti sim, ah eu sei sim, ah ah ah” jamais!
–Se eu fui orgulhosa em não me ajudar com tratamentos específicos, remédios e apoio da família? Sim eu fui! Não queria me colocar de vítima em nada, fui besta sim, mas colhi as minhas escolhas, anos se passaram desde então.

♥ Eu, meu dom e minhas escolhas…

Eu sempre achei que pegaria no tranco na próxima semana, mas chegava e nada acontecia…. Desde então não consegui trabalhar mais, não dá forma que estava acostumada, não como o mesmo tempo que eu tinha 39horas por dia + 12horas à noite, nem o mesmo vigor e disposição, tudo parecia ter horas e horas, em coisas que levariam minutos. Passou a virar agonia, passou a dar desespero olhar a caixa de e-mail, redes sociais, directs, inbox, zaps, etc..
Assim como tentar fazer algo diferente passou a ser minha meta, metas e escolhas infundadas me levaram a traçar projetos mirabolantes de coisas que nem sabia fazer, a sugar uma energia que já estava escassa. Não achem que tinha dinheiro brotando no quintal não, inclusive foram e são épocas difíceis para todos, você sabe que precisa do trabalho, do dinheiro, mas não consegue trabalhar, são correntes que se arrastam, cada dia elas ficavam maiores, só quem as carrega sabe exatamente o seu peso e sua dimensão.
A Kimble sempre foi parte, ‘parte’ de tudo que desejei e pedi um dia à Deus para fazer. Desde quando sai ainda miúda da casa dos meus pais com 16 poucos aninhos eu queria ser dona do meu nariz, amava papéis, coisas fofas, costuras (influência de Vó né), coisas feitas à mão, desde comidas à coisas, sempre fui apaixonada por fotografia e natureza. Sou de uma família muito simples e sempre fui do time dos tímidos da cara fechada (acreditem ou não! Sim, consegui ser mais leve com o passar dos anos/danos, rss), então trabalhar enfiada dentro de casa, ou de um escritório para mim, era uma ótima opção, sempre gostei de fazer tudo com muito carinho, e na Kimble eu realizei tudo isso em um pacote só!
Neste tempo difícil, trabalhei sim, confesso que não foi fácil não. Maquiar tudo isso nesse tempo todo, foi bem dolorido, mas parecia que eu ja tinha adquirido PHD nesse lance.

 

Eu floresci!

Em 2018 Deus me enviou luzes que entraram na minha vida, e vieram de uma forma que eu não esperava mais, (já tinha me acostumado até com os sintomas, com as tristezas indo e vindo). Eu já me sentia um pouco melhor, talvez um pouco mais animada, mas me ocupava demais com afazeres comuns, das meninas, do marido, só para não sobrar tempo de pegar no tranco no meu trabalho… já estava projetando muita coisa nova pra minha vida, ‘daquelas reais’, dentro da kimble, dentro da minha rotina, pra minha vida pessoal, enfim….
E foi quando definitivamente uma luz acendeu em meu coração, que foi quando fui convidada para fotografar um evento, e como se não bastasse algo que tinha desejo de conhecer, além do mais era ao ar livre, e naquele momento eu me reenergizei, digo que meu ‘start’ ligou.. não existia uma pessoa mais feliz no meio daquele povo todo que eu! Sim, era com certeza um presente de Deus pra mim! Uma nova chance!
E eu como uma flor que nasce no jardim, eu floresci!

Obrigada!

Estou pronta, de cabeça erguida, coração orgulhoso por ter vencido essa fase obscura da minha vida, que de certa forma, serviu de aprendizado e agora mais do que nunca, aberta as novidades, motivada, espiritualizada e me sentindo com os olhos vermelhos sim, mas é sangue no ‘zóio’ de alegria de estar de volta, de estar aqui! Não foi fácil desabafar minha vida aqui, algo tão delicado, que não comentei com ninguém nesse tempo todo… mas estou melhor e estou acostumada as coisas não serem fáceis, rssss.

Desabafei para mostrar, que eu falhei SIM, dentro desse tempo pelos inúmeros retornos que não fiz, mas que tive motivos e foram bem pesados. Contudo Brasil, voltei!
Obrigada, apesar de todo tempo, as clientes queridas e de verdade que estavam sempre comigo, me empurrando pra frente, me enviando novas clientes!
Que uma energia de abundância visite a casa de vocês! #gratidãosempre

Um super beijo
Dani Consolini

One Reply to “Voltei…. ♥”

  1. Dani
    Parabéns
    Desabafar é extremamente difícil, se expor é doloroso para quem não sabe nos entender…
    Admiro sua coragem, perseverança, espiritualidade, força e fé….. As coisas não são fáceis…mas quem disse que o fácil é melhor.
    Não te conheço pessoalmente mas a grandeza emana de você e não sei te explicar porque sinto isso…podemos chamar de admiração, sintonia…mas prefiro o som do compartilhar.
    Compartilhar sonhos, desejos, esperanças…te vejo assim…
    Pois você traduziu tudo em mim do Dinda Didica…
    Pois temos…Carinho em cada detalhe.
    Obrigada por compartilhar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *